Terça, 26 Junho 2018 10:45

AÇÃO E REAÇÃO

Escrito por
Avalie este item
(5 votos)

AÇÃO E REAÇÃO

“Como não conseguiam encontrá-lo, retornaram a Jerusalém para procurá-lo.” (Lc 2.46)

 

Lucas tinha por formação a medicina e foi companheiro de Paulo nas viagens missionárias, chegando a fazer um diário das principais atividades e registrando tudo em Atos dos Apóstolos. Consta que não era judeu, nasceu na Síria, portanto era um gentio escrevendo com riqueza de detalhes sobre o amor e a compaixão de Cristo pelos doentes, pelos abatidos e maltratados. Escreveu seu evangelho destinando-o para seu amigo de nome Teófilo, colocando a observação que tudo o que fora registrado era fruto de informações fundamentadas por testemunhas (Lc 1.3-4).

A passagem acima está contextualizada na viagem de José e Maria que foram a Jerusalém na festa de Páscoa, levando Jesus, então com 12 anos. Na volta, o casal percebeu que deixaram Jesus para trás e rapidamente reagiram, retornando a Jerusalém para encontrar o filho (Lc 2.41-50).

Com muita frequência se ouve falar de pessoas que por um motivo ou outro perderam algo de muito valor. Nas relações familiares e nos relacionamentos pessoais esta ocorrência é percebida com muita facilidade e nem sempre quem perdeu reúne condições para reagir e buscar aquilo que fora perdido. Essa inércia em reagir é altamente prejudicial ao homem. Atente nisso!

Perceba que os pais de Jesus regressaram na frente e não se deram conta da presença do filho. Pode-se conjecturar que no caminho de volta o casal tenha se distraído nas conversas e acreditou que Jesus estivesse com amigos e familiares que faziam o mesmo caminho. Depois de detectar que Jesus não estava entre eles, pode-se imaginar o que passou na cabeça de José e Maria ao sentirem a falta do filho. Provavelmente imaginaram muita coisa que poderia ter acontecido.

Traga essa realidade para os dias atuais, quando muitos cristãos também estão perdendo Jesus pelo simples fato de passar à frente de Cristo. Muitos tomam decisões sobre suas atividades seculares sem ao menos aguardar pela direção de Deus. Muitos chamam para si a responsabilidade pelos seus projetos sem ao menos apresentá-los a Deus e depois acham que por serem crentes, Cristo é quem deve seguir suas ideias. Noutras palavras, é fácil verificar que houve uma inversão na ordem, é o criador seguindo a criatura. Reflita isso na sua caminhada!

Compreenda que é Cristo quem determina o ritmo da caminhada, ele caminha na frente, abrindo portas, rompendo obstáculos e garantindo a chegada ao destino. Certamente que José e Maria deixaram Cristo para trás em decorrência da familiaridade com Jesus. Estavam tão acostumados com ele que nem perceberam sua falta, aliás, a falta de Jesus somente foi sentida depois de um dia inteiro de caminhada (Lc 2.44).

Saiba que nos dias atuais, muitos estão perdendo Cristo justamente pela familiaridade, pelo hábito ou pelo costume. Acostumaram-se em ir às igrejas, habituaram com as canções, com a leitura bíblica, com os louvores e acreditam que participando nos louvores, galgando cargos eclesiásticos e concluindo cursos teológicos, eles possuem Cristo em seus corações. Grande engano! Tenha em mente que existe muita gente que se distanciam de Jesus, sem se distanciar da igreja. Creia nisso!

A partir do exato momento em que José e Maria sentiram falta de Jesus, eles retornaram para a cidade de Jerusalém e andaram o mesmo tanto que caminharam na ida, ou seja, fizeram o mesmo percurso duas vezes (Lc 2.45). Atente no sacrifício físico para achar Jesus, eles reagiram e voltaram, traga aqui um comparativo para nossos dias quando raros os que se sacrificam em favor de Cristo. Para José e Maria foi fácil perceber o erro e voltar, mas hoje é o grande desafio de quem perdeu Cristo na caminhada: em algum momento da vida houve a ação da perca e poucos estão reagindo para encontrá-lo. Pense seriamente sobre essa estagnação!

Lembre-se que muitos perderam Cristo quando se distraíram na caminhada, outros perderam Jesus em ocasiões de intensa angústia e sofrimento, outros o perderam para a religiosidade, para as tradições, para o domínio, para crenças pessoais e há também aqueles que caminharam rápido demais e deixaram Cristo para trás, enfim, não importa o motivo de onde e como Cristo foi perdido. Saiba hoje e sempre que ainda há tempo para reagir, voltar e encontrá-lo, amém?

 Jesus Cristo Filho de Deus os abençoe, sempre!

 

Milton Marques de Oliveira – Pr 

 

 

 

Ler 351 vezes Última modificação em Sexta, 29 Junho 2018 10:46
Mais nesta categoria: « AMIZADES PERSEVERANÇA »

Comentários   

+1 # Eliza 01-07-2018 12:54
Não quero deixar para trás.
Responder | Responder com citação | Citar

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

PUBLICIDADE