Segunda, 14 Janeiro 2019 14:13

TEMPESTADE

Escrito por
Avalie este item
(4 votos)

TEMPESTADE

“Então, Paulo declarou ao centurião e aos soldados: “Caso estes homens não permaneçam conosco a bordo, vós não podereis ser salvos” (At 27.31)”.

 

O versículo acima está no contexto do naufrágio de um navio que navegava pelo que é hoje o atual mar Adriático com 276 pessoas a bordo, nos idos do século I (At 27.37). Dentre essas pessoas, estava o apóstolo Paulo, autor da ordem para que os marinheiros permanecessem no navio e desta maneira todos fossem salvos do naufrágio que era iminente (At 27.21-38).

Lucas foi o autor do livro de Atos dos Apóstolos e também do evangelho que leva seu nome. A história diz que ele acompanhou Paulo a partir da segunda viagem missionária e a narrativa de Atos mostra o início da formação da igreja, seus momentos mais importantes e as grandes participações dos apóstolos que pavimentaram este caminho, principalmente Pedro e Paulo.

Passar por momentos maus, enfrentar situações aflitivas ou angustiantes é algo comum a muita gente. Dívidas, enfermidades, problemas nas empresas, fracasso espiritual e dificuldades nas relações de namoro e casamento são apenas alguns dos inúmeros problemas que podem afetar qualquer pessoa de todas as idades. Se os problemas são comuns, a diferença está justamente no enfrentamento: enquanto uns fogem do problema, existem aqueles que permanecem, lutam e vencem.

O apóstolo Paulo viajava na condição de preso, era escoltado por soldados para a capital italiana e o navio enfrentava uma tempestade. Lucas narra que os homens estavam há mais de catorze dias lutando contra aquela situação, inclusive sem comer e a tripulação tinha receio que a embarcação fosse de encontro as rochas. Lucas relata ainda que os marinheiros estavam desesperados e desejavam fugir abandonando o navio. Parece cômico falar em fuga, mas naquelas circunstâncias, em mar aberto e debaixo de tempestade, a embarcação era o único local seguro (At 27.30). Pense!

 Compreenda que a cada dia as pessoas são levadas a tomarem decisões. As pessoas decidem o meio de transporte para o trabalho, escolhem o que vestir e o que alimentar e logicamente decidem que solução dar aos problemas que aparecem. Há casos de menor potencial e há mesmo àqueles que mais parecem um tsunami, dada suas proporções em causar aborrecimentos e estragos na vida.

Naquele navio a tempestade era caso de vida ou morte. Os marinheiros com todas suas experiências em navegação desejavam pular na água como se essa fosse a solução. Debaixo daquela tempestade, certamente que essa fuga era loucura. Mas saiba que é justamente assim que muitos pensam quando estão enfrentando situações complexas em sua vida. Ao perceberem que o problema caminha para proporções maiores e indesejáveis e que há necessidade de assumir responsabilidades, muitos desejam fugir. É como se a fuga fosse a solução. Fugiu, acabou o problema. Grande mentira! O problema matriz continuará a existir e a fuga se torna o segundo problema. Se tinha um caso para resolver, entenda que agora são dois problemas. Reflita nisso!

Paulo falou para os marinheiros ficarem no navio e ninguém pulou na água. Ele foi acatado pelo chefe da tripulação e os marinheiros tomaram diversas providências para enfrentar a tempestade e o navio atracou numa ilha e todos se salvaram (At 27.44). Pode-se conjeturar que todos que estavam naquela embarcação, sem exceção, passaram por momentos de extremo medo, altas doses de adrenalina, gritos, noites sem dormir, mas a vida, o bem maior de todos foi preservada justamente porque na crise que estavam passado, ouviram quem tinha autoridade e enfrentaram a tempestade. Não fugiram da crise, pense nisso!

Entenda que nem sempre a pessoas estão encorajadas a enfrentar situações que não estão sob o seu controle (At 27.31). Problemas conjugais, problemas com filhos, dívidas fora do controle, enfermidades e uso de drogas por pessoas da família são semelhantes a tantos outros enfrentados por milhares de pessoas mundo a fora. Todos passam por lutas de todos os tipos e a fuga jamais é a solução. Lembre-se que o próprio Cristo profetizou que aflições de todas as espécies estariam presentes na vida do cristão (Jo 16.33).

Tenha em sua mente que nos momentos mais estressantes, no ápice das crises, permita-se ouvir Jesus, verdadeira força que sustenta, acalma a tempestade, concede paciência e direciona as decisões a serem tomadas. Os marinheiros ouviram Paulo e se deram bem, mas pode-se conjeturar que caso eles tivessem saltado ao mar, provavelmente teriam morrido, o navio naufragado e a história seria outra. Ouvir a voz do Pai é ter a certeza que ele não só conhece sua situação como se inclina para ouvir aqueles que clamam pelo seu nome (Sl 116.1). Portanto, não fuja do problema, permaneça, lute e confie, pois maior é aquele que está com você do que aquele que está no mundo (1 Jo 4.4). Amém?  

Jesus Cristo Filho de Deus os abençoe, sempre!

 

Milton Marques de Oliveira - Pr

Ler 4095 vezes Última modificação em Quinta, 17 Janeiro 2019 07:08
Mais nesta categoria: « RECORDAÇÕES VAIDADES »

PUBLICIDADE