Segunda, 16 Setembro 2019 19:22

AMIGOS

Escrito por
Avalie este item
(5 votos)

AMIGOS

“Então Daniel foi dispensado e voltando para casa relatou tudo o que ocorrera aos seus amigos, Hananias, Misael e Azarias” (Dn 2.17)

 

Muito embora estejam separados por centenas de anos, veja que o livro do profeta Daniel tem estreita correspondência com o livro de Apocalipse, escrito pelo discípulo João, tanto pelas revelações como pelas profecias que se relacionam. Daniel nasceu em Judá, era ainda muito jovem quando foi levado na condição de escravo junto com outros compatriotas para a Babilônia e por lá ficou durante muitos anos (Jr 25). Sua história de vida é por demais estudada e aplicada nos dias atuais como exemplo de homem que se manteve íntegro num ambiente de alta promiscuidade. Pense sobre isso!

Atente bem que ter amigos para conversar, expressar opiniões, desabafar, chorar, dar risadas, dividir os bons e maus momentos da vida não é só para os jovens e adolescentes, mas a todo homem. Muitos até gostam de viverem sós, mas viver solitariamente sem ninguém por perto não faz parte da existência humana que desde sempre procurou conviver em meio a outras pessoas, num ambiente sociável.

O contexto desta passagem relata que Daniel estava diante de uma grande questão. O rei Nabucodonosor teve um sonho, mas esqueceu do que havia sonhado e acionou seus assessores para ajudá-lo a se lembrar do que havia sonhado, sob pena de serem mortos caso não conseguissem esta façanha (Dn 2.5). Ciente desta situação, Daniel chamou seu amigos e juntos clamaram a Deus pedindo pela intervenção divina.

Certamente que nem sempre as pessoas possuem amigos próximos o bastante para compartilhar as situações do dia a dia. Veja que pessoas solitárias e sem amigos podem enfrentar circunstâncias nada agradáveis e há casos de até ficarem depressivos. Noutro lado são comuns relatos de pessoas que mesmo vivendo no mesmo ambiente, não são próximas a ponto de compartilhar suas dores, suas dúvidas e tantas outras questões do cotidiano. Saiba que a ciência tem comprovado que a ausência de bons amigos são a causa de muitos males e Salomão, centenas de anos atrás também atestou sobre o valor dos amigos na vida do homem (Ec 6.14; Pv 17.17). Reflita!

“Levais as cargas pesadas uns dos outros e, assim, estareis cumprindo a Lei de Cristo.” (Gl 6.2). Já naquela época (século I) o apóstolo Paulo ensinava sobre a necessidade de compartilhamento das aflições uns dos outros como forma de demonstrar apreço e compaixão pelas adversidades alheias. Transporte essa situação para os dias atuais e atente sobre a existência de muita gente vivendo em regime de extrema competição entre si, ou seja, possuem a visão de que a vida do próximo não deve prosperar em nenhum aspecto, inclusive no lado espiritual.

Lembre-se que os quatro amigos do paralítico de Cafarnaum somente o deixou quando ele foi colocado aos pés de Jesus, após grande esforço de subirem com ele pelo telhado da casa e depois o descerem. Quando tiveram a certeza que ele estava na posição certa de ser visto por Jesus, é que saíram do recinto.  Noutras palavras, a preocupação daqueles quatro homens em colocar o amigo paralítico perto de Jesus para ser curado era tamanha que eles não se importaram com a logística de subir, quebrar as telhas e descer a maca. A narrativa de Marcos comprova que o esforço deles foi válido (Mc 2.2-11).

Sabedor das dificuldades criadas pelo rei Nabucodonosor, Daniel pediu um tempo e compartilhou com seus amigos de cativeiro o caso que poderia resultar na morte de muita gente. Daniel dividiu com eles sua preocupação e pediu que eles orassem e clamassem a Deus pela intervenção e o resultado deste clamor veio à tona. Daniel não só trouxe à lembrança do rei o sonho que ele teve como deu a devida interpretação (Dn 2.17-19).

Incrível, mas aqui os amigos de Daniel ajudaram em oração, mas compreenda que da mesma maneira que existem pessoas que estão sempre prontas para auxiliar, de forma contrária, existem também aquelas que só fazem afundar, dando sugestões perversas e influenciando negativamente (1 Rs 12.1-19). Grande parte das vezes, pessoas assim não podem ser consideradas como amigos, mas meros opinadores de plantão que em nada contribuem para o sucesso de quem os ouve. Traga no seu coração que amigos de verdade contribuem positivamente e demonstram isso com atitudes coerentes, honestas e certeiras.  Reflita sobre amizades!

Daniel teve ótimos amigos e pode-se afirmar isso fundamentado na história que ele mesmo narrou. Hoje se vive em meio a pessoas que se dizem amigos, que se passam por amigos e até conversam como amigos, quando na verdade estão longe disso. Amigos são aqueles que não medem esforços para estarem juntos, amigos são aqueles que caminham unidos nos momentos de alegrias e de tristezas. Entenda, portanto, hoje e sempre que a dor compartilhada atenua o sofrimento e o sorriso compartilhado, dilata o coração. Saiba disso!

Jesus Cristo Filho de Deus os abençoe, sempre!

 

Milton Marques de Oliveira - Pr

Ler 423 vezes
Mais nesta categoria: « HABEAS CORPUS COMPORTAMENTO »

PUBLICIDADE