Terça, 04 Agosto 2020 09:47

JUÍZO

Escrito por
Avalie este item
(4 votos)

JUÍZO

“Eis que Yahweh, o SENHOR, é bom! Ele é um refúgio em tempos de angústia e aflição! O SENHOR protege todos quantos nele confiam.” (Na 1.7)

 

O livro do profeta Naum faz parte do conjunto de profetas denominados profetas menores e menores no sentido de pouco conteúdo profético, quando comparados com os profetas Isaías, Jeremias e Ezequiel que escreveram bem mais. A narrativa do livro de Naum teve como objetivo falar à nação de Israel sobre a destruição de Nínive, então capital da Assíria e inimiga declarada do povo israelita. Naum foi contemporâneo dos profetas Habacuque e Sofonias, isso no século VII AC.

De forma resumida, o contexto que o versículo acima está inserido, fala ao povo de Israel sobre a santidade, soberania e caráter de Deus e a aplicação da justiça divina ao inimigo, ou seja, povo assírio habitante de Nínive. A tônica da mensagem do profeta era que não zombassem de Deus, pois ele é justo juiz.  Um detalhe interessante sobre os profetas do AT era que eles anunciavam advertências ao povo de Deus sobre seus comportamentos, todavia, Naum é um profeta diferente, ele não profere julgamento contra o povo de Deus. Naum prega contra os inimigos. Na verdade, sua narrativa tem como foco consolar o povo de Deus anunciando um juízo divino contra aqueles que lhe fizeram mal.

Em tempos de aflições e adversidades é comum que as pessoas exteriorizem suas mágoas e desilusões.  Nas redes sociais é visível a enxurrada de manifestações assim, numa clara demonstração que pessoas de diferentes níveis sociais, se nivelam num grande coral de murmurações. E é nessas dificuldades que se observa a ação de aproveitadores que prometendo solução rápida e eficiente, usam e abusam da ingenuidade de muitos, enganando e defraudando. Pense!

Saiba que os Assírios eram um povo que constantemente estavam em guerra contra Israel. Os historiadores relatam que eles eram uma nação guerreira, cuja crueldade em tratar os inimigos era amplamente conhecida. Foi neste contexto que o profeta Jonas não quis anunciar a salvação aos assírios alegando um fervoroso patriotismo. Na visão de Jonas eles não mereciam a misericórdia de Deus, justamente pela maldade que carregavam em seus corações.

Atente que vivendo problemas de toda ordem, tem sido comum que muita gente ande sofrendo nas mãos de pessoas inescrupulosas, grande parte das vezes perdendo recursos financeiros e, logicamente, surge nestes casos o desejo humano de fazer vingança, tal a maldade que o outro realizou. Certamente que os israelitas também desejavam se vingar contra os assírios. Foi neste cenário de vingança que Naum profetizou, consolando os israelitas que Deus cuidaria dos seus inimigos. Aliás, nesse sentido, o autor da carta aos Hebreus disse que: “Pois conhecemos aquele que disse: Minha é a vingança, eu retribuirei...” (Hb 10.30).  Ou seja, tanto naquela época como nos dias atuais, entenda que deixar Deus aplicar sua justiça, foi e continua sendo a melhor proposta. Reflita!

Perceba que muitas vezes o homem é levado em seu coração a promover vingança contra aqueles que lhe fazem o mal. A bem da verdade, mesmo com tanto sofrimento que muita gente passa nos dias atuais, compreenda que não compete ao homem ter essa postura vingativa. Guarde isso: Deus é o justo juiz e retribui todas as ações humanas no tempo certo, segundo seu critério e vontade (Ec 3.1). Noutras palavras, Deus não perdeu o controle de tudo aquilo que acontece no mundo e agirá ao seu tempo (Mt 24.35).

Assim como era a visão dos israelitas em relação aos seus inimigos, por vezes tem sido comum o entendimento de muita gente que sofre as investidas de gente maldosa, pensar que Deus os esqueceu ou mesmo os abandonou á própria sorte, tal o nível de tranquilidade dos opressores, que vivem como se nada os perturbasse, todavia, entenda: ninguém está cima de Deus! E de igual forma ninguém escapa de seu juízo e todas as ações do homem, creia que um dia lhe será cobrada. A transgressão Deus perdoa, entretanto, um dia a fatura chegará por meio das consequências físicas de seus atos. Reflita isso!

Encerrando, guarde no seu coração que Deus é o Senhor e dono da história. Em toda a Sagrada Escritura, Deus nunca perdeu uma luta, nunca perdeu uma batalha e jamais perdeu uma guerra, portanto, Deus continua governando. Sua justiça pode até demorar, mas Deus tem o tempo a seu favor e sua vontade prevalecerá. Para uns, o perdão, para outros a advertência, a promessa ou o juízo, todavia, tudo do mesmo Deus, creia nisso. Amém?

Jesus Cristo Filho de Deus os abençoe, sempre!

 

Milton Marques de Oliveira - Pr

Ler 591 vezes
Mais nesta categoria: « COMPROMISSO PRESENÇA »

PUBLICIDADE