Milton Marques de Oliveira

Milton Marques de Oliveira

Sábado, 03 Agosto 2019 23:43

03/08/2019 - CELEBRAÇÃO DA CEIA DO SENHOR

Sábado, 03 Agosto 2019 13:09

03/08/2019 - BATISMO NAS ÁGUAS

Terça, 30 Julho 2019 23:11

30/07/2019 - CULTO "FÉ E VIDA"

Segunda, 29 Julho 2019 11:24

PLANO DE AÇÃO

PLANO DE AÇÃO

“E concluiu José: “Agora, portanto, que o Faraó escolha um homem inteligente e sábio e o estabeleça sobre toda a terra do Egito.” (Gn 41.33)

 

Gênesis, escrito pelo profeta Moisés fala do começo de todas as coisas e é justamente neste livro onde se tem o início da revelação de Deus para o homem (Gn 1.1) Gênesis diz sobre tudo aquilo que foi criado por Deus, desde a parte seca da terra como os mares, as estrelas, os animais e as florestas. A narrativa de Moisés ainda apresenta a criação do homem que foi colocado no Jardim do Éden e a transgressão do mesmo homem como o grande problema que afastou a humanidade de seu Criador.

O contexto do versículo acima está na história de José. Embora estivesse preso, ele foi chamado para interpretar o sonho que muito atormentava Faraó e diante dele, José deu luz ao sonho, interpretando sobre os sete anos de fartura e de fome no Egito.

Atente bem que nas relações sociais é comum que as pessoas comentem suas dificuldades uns aos outros. Raras as pessoas que ficam em silêncio quando possuem a oportunidade de externar sua estória, seja ela boa ou não. Conversar sobre a própria vida não só faz parte da humanidade como existe muita gente que passou anos nas faculdades para entender a mente humana e tentar dar soluções aos diversos conflitos que povoam a cabeça do homem.

Antes de José ser apresentado ao Faraó como aquele que poderia interpretar o que ele havia sonhado, lembre-se que José já havia feito coisa semelhante, quando deu luz a dois sonhos de dois amigos de cárcere: o padeiro e o copeiro. Veja que foram sonhos semelhantes com interpretações diferentes, o padeiro morreu e o copeiro foi reconduzido ao seu cargo.

Compreenda bem que existem muitas pessoas que são ótimas ouvintes. Essas pessoas conseguem externar a paciência necessária para ouvir os parentes, amigos, os familiares e até desconhecidos, e neste contexto são qualificadas e sempre requisitadas para fazer o que mais sabem: ouvir e ouvir. Mas veja que em muitas situações somente ouvir não basta. Cuidar de pessoas requer um pouco mais que isso. É necessário ouvir, processar as informações e avançar um pouco mais, ou seja, propor um plano de ação. Reflita!!

Perceba que José ouviu pacientemente o relato de Faraó e depois disso, deu a interpretação e finalmente colocou a disposição dele um plano de ação para fazer face a situação que a nação egípcia iria enfrentar. José não ficou só ouvindo. Ouviu e deu propostas para enfrentar o problema que viria. Pense!

Entenda que de maneira semelhante, Jesus também assim procedeu com aquela mulher apanhada no ato de flagrante adultério (Jo 8.1-11). Jesus poderia simplesmente perdoar, aliás, ele tinha poder para isso, mas ele não só perdoou como estabeleceu a ela um plano de ação, ou seja, dali para frente ela deveria ter um comportamento tal que demonstraria a mudança de sua mentalidade pecadora (Jo 8.11).

Quase sempre, as pessoas trazem suas inquietações e suas aflições e procuram um norte ou uma direção. Veja que as inquietações da mente embaçam o caminho a seguir e trazem a paralização dos projetos e dos sonhos. Vez por outra as perturbações da alma impedem muitos de prosseguirem na vida. É justamente aqui que entram as execuções de um plano de ação. José fez isso com Faraó e o resultado é conhecido. Houve a fome, mas houve a previsão e o plano de ação formulado por José conseguiu atingir os objetivos (Gn 41.33-36).

Atente que Cristo ouvia as pessoas, confrontava as práticas religiosas dos fariseus, combatia a hipocrisia e a maldade com os oprimidos e ainda sentava à mesa com publicanos, com os príncipes judaicos e tantas pessoas de várias classes sociais. A todos eles, Jesus atendia, curava as enfermidades, libertava dos demônios, ensinava, perdoava e dizia: “Não peques mais!” (Jo 5.14; 8.11). Noutras palavras, Cristo deixava claro que o arrependimento e a mudança de mentalidade eram o plano que podia salvar e propiciar a vida eterna a todos. Reflita!

Compreenda, portanto, que não é sobre ouvir e até dar uma solução de curto prazo às pessoas. Mas é sobre ouvir, estabelecer um plano de ação e mostrar que se pode fazer mais, e isso é o que mais as pessoas precisam. Pense nisso!

Jesus Cristo Filho de Deus os abençoe, sempre!

 

Milton Marques de Oliveira - Pr

 

 

 

Segunda, 29 Julho 2019 00:54

28/07/2019 - CULTO DE CELEBRAÇÃO A DEUS

Sábado, 27 Julho 2019 17:39

27/07/2019 - BATISMO NAS ÁGUAS

Terça, 23 Julho 2019 23:39

23/07/2019 - CULTO "FÉ E VIDA"

Segunda, 22 Julho 2019 19:07

FUTURO

FUTURO

“Não presumes do dia de amanhã, pois não sabes o que produzirá o dia” (Pv 27.1).

O livro consta de uma coleção de ditados curtos registrados e atribuídos a Salomão, filho de Davi, que foi um dos reis em Israel, todavia, há também frases de outros autores. O livro tem o objetivo de se fazer alcançar a sabedoria que vem de cima, na busca por uma vida prudente e fundamentada em fazer o que é digno, correto e justo, e neste contexto pode-se considerar, nas palavras do autor, que o temor do Senhor é o início do conhecimento(Pv 1.7).

Se existe algo que traz inquietações a muita gente são as previsões de acontecimentos futuros, e o incrível que mesmo sem se dar conta, muitas pessoas não só acreditam nelas, como fazem questão de adquirir livros que tratam do assunto. Todos os dias os jornais noticiam as previsões e seus hipotéticos impactos na vida humana. Uma previsão muito comum e amplamente utilizada pelo homem é o serviço de meteorologia, com uso de técnicas e cálculos matemáticos e por vezes este serviço produz erros devido às diversas variáveis analisadas.

Perceba que muito embora os divulgadores tenham boa vontade em ajudar o homem por meio de suas previsões, creia que existe muita ingenuidade quando essas mesmas previsões almejam confrontar a soberania de Deus. Noutras palavras, existe muita manipulação visando unicamente conduzir os incautos para caminhos diversos. Que o digam às mamães que receberam a triste notícia de nunca serem mães e hoje ostentam filhos concebidos de forma natural. Pense sobre isso!

E agora, vós que dizeis: Hoje ou amanhã iremos a tal cidade, lá passaremos um ano, negociaremos e ganharemos. Ora, não sabeis o que acontecerá amanhã. O que é a vossa vida? É um vapor que aparece por um pouco, e logo se desvanece. Em lugar disso, devíeis dizer: Se o Senhor quiser, viveremos e faremos isto ou aquilo. Vós vos jactais das vossas presunções. Ora, toda jactância tal como esta é maligna.” (Tg 4.13-16). O homem tem reiteradamente equivocado em suas tentativas de prever o futuro e o apóstolo Tiago, séculos atrás, já manifestou essa situação quando definiu sobre a brevidade da vida e os planos do homem confrontados com os projetos de Deus. O interessante é que neste contexto, o homem moderno passou a querer ser dono da agenda de Deus, marcando dia e hora para ELE se manifestar, esquecendo propositadamente ou não, que somente Deus muda as épocas e as estações e concede sabedoria aos verdadeiros sábios e entendimento aos que o buscam (Dn 2.21).  Ou seja, o que define o dia de amanha é a vontade de Deus (Mt 6.10). Reflita!

Eis que a sua alma está orgulhosa, não é reta nele; mas o justo pela sua fé viverá” (Hc 2.4). Sem conhecimento, muitos têm sido manipulados, manobrados e direcionados a tomarem decisões baseadas em previsões nada condizentes com a verdade, principalmente quando distorcem a palavra de Deus. Distantes no tempo, tanto o profeta Habacuque como o apóstolo Paulo deixam claro que as previsões humanas podem falhar e falham mesmo, mas a fé gerada em um coração contrito e quebrantado produz a confiança que Deus cuidará dos seus, aconteça o que acontecer. Nada escapa aos olhos do Criador (Hb 4.13).

“Naquele mesmo dia chegaram uns fariseus, dizendo-lhe: Sai, e retira-te daqui. Herodes quer matar-te. Respondeu-lhes Jesus: Ide dizer àquela raposa: Eu expulso demônios, e efetuo cura, hoje e amanhã, e no terceiro dia terminarei. Importa, porém, caminhar hoje, amanhã, e no dia seguinte, para que não suceda que morra um profeta fora de Jerusalém.” (Lc 13.31-33). Essa era a previsão dos fariseus amedrontando Jesus sobre a possibilidade de um ataque de Herodes, todavia, Cristo não mudou em nada sua agenda ministerial. Resumindo, ele continuou curando os doentes e as previsões daqueles fariseus não tiraram Cristo do seu propósito, ELE não mudou aquilo que Deus projetou. Ele caminhava sim para a cruz, mas não no tempo de Herodes. Reflita isso!

Portanto, compreenda que não existe sorte ou azar, mas tudo acontece dentro daquilo que Deus idealizou, aliás, há uma frase muito popular afirmando que Deus não adianta e nem atrasa, ELE chega no tempo exato e ela encontra respaldo nas palavras do próprio Salomão (Ec 3.1). Isso conduz ao entendimento que a perfeita vontade de Deus se fará cumprir no tempo que ele determinar, em vista disso, não se torne refém das previsões alheias e nem se permita viver a ansiedade no seu coração, pois essa ansiedade não tem força para mudar os desígnios de Deus. Amém?

Jesus Cristo Filho de Deus os abençoe, sempre!

 

Milton Marques de Oliveira - Pr

 

Segunda, 22 Julho 2019 00:29

21/07/2019 - CULTO DE CELEBRAÇÃO A DEUS

PUBLICIDADE