Milton Marques de Oliveira

Milton Marques de Oliveira

Segunda, 22 Outubro 2018 15:04

FENÔMENO

FENÔMENO

“porque muitos, por causa dele, deixavam os judeus e criam em Jesus.” ( Jo 12.11)

 

João era pescador, assim como grande parte dos discípulos de Jesus eram pessoas simples e comuns dentre o povo, todavia o diferencial de João estava na proximidade que ele tinha com Cristo. Em sua narrativa João deixou uma, dentre muitas razões, por ter escrito seu evangelho: para que todos creiam que Jesus é o Cristo, o filho de Deus e crendo, tenham vida no nome de Jesus (Jo 20.30-31).

Resumidamente, o versículo acima está contextualizado logo após Jesus ressuscitar Lázaro e, posteriormente ao fazer parte de uma ceia, uma mulher de nome Maria usou um vaso de perfume, ungindo os pés de Cristo. Depois disso os judeus se reuniram para deliberar sobre as mortes de Jesus e de Lázaro (Jo 12.1-11)

Atente que amigos e colegas conseguem enxergar facilmente as mudanças físicas de seus conhecidos. Não há como esconder que essas transformações físicas sejam mesmo vistas e comentadas. A curiosidade faz parte da natureza humana e daí é normal às perguntas sobre a dinâmica da mudança. Todos querem saber os detalhes do processo e é justamente neste momento que a pessoa transformada pode contar seu testemunho de como se deu a alteração.

Lázaro estava morto há quatro dias (Jo 11.17). O corpo já estava em estado de putrefação, mas Jesus realizou o milagre da ressurreição e a partir do exato momento em que Lázaro deixou a morte e ganhou a vida, ele potencializou a curiosidade de todos os seus compatriotas. Ele se tornou um referencial, todos queriam ver e tocar nele e assim, Lázaro passou a ser o sinal vivo do poder transformador de Cristo. Compreenda que naquela época, a fama de Jesus já corria na região e em todos os cantos havia alguém que conhecia outro alguém que fora contemplado por uma benção ou um milagre. Cegos, aleijados, leprosos, endemoniados e gente com doenças não catalogadas pelos evangelhos foram simplesmente curadas, transformadas. E o melhor era que todos sabiam que Jesus era o autor destas mudanças. A glória era de Deus. Reflita sobre isso!

Perceba que na essência, Jesus continua o mesmo, sua bondade e misericórdia não mudaram (Hb 13.8). Ela permanece para sempre. Assim, nos dias de hoje, é muito fácil achar alguém que teve sua vida mudada por Jesus, tanto no aspecto físico como no espiritual. E essas pessoas que receberam a transformação, se tornam referencial e impulsionam a curiosidade de seus conhecidos, seus familiares, dos amigos e colegas. Isso é normal e foi justamente isso que aconteceu com a vida de Lázaro. De anônimo, ele se tornou um fenômeno e passou a ser a mensagem de Cristo por onde caminhava (Jo 12.11). Pense!

Hoje muitos são como Lázaro, não que morreram e foram ressuscitados. Mas porque tiveram suas vidas alteradas pelo poder de Cristo. Antes eram escravos do diabo, serviçais de Satanás e praticavam toda sorte de iniquidades.  Viviam no mundo das drogas, da prostituição e realizavam tudo aquilo que desagradava a Deus. Alguns inclusive viviam abandonados pelos familiares e amigos. A vida era um caos sem fim.

Entenda bem que os judeus sentiam ciúmes de Lázaro e queriam matá-lo (Jo 12.10). Noutras palavras, seus compatriotas não desejavam que ele continuasse a ser a mensagem de Cristo, Lázaro era a referência em termos de milagre, era o recado a todos os descrentes. Se fosse aos dias atuais com a força da internet, de forma comparativa, ele seria um fenômeno de "viralização” do milagre de Jesus. Reflita isso!

Hoje existem centenas, milhares de pessoas que também receberam um milagre de Deus e podem ser vistas como fenômenos pela transformação que passaram. Do vício que foi abandonado, do casamento restaurado ao câncer que sumiu nos exames de imagem, essas pessoas são conhecidas pelo que são hoje. Todas elas se tornaram referências vivas do que Jesus fez, desde as mudanças físicas às transformações espirituais que trouxeram alegria, paz e harmonia ao coração. Creia nisso!

Portanto, não importa qual o ambiente, se na família, na faculdade, no trabalho ou mesmo dentro de um ônibus, veja a importância de ser referencial do poder transformador de Cristo. Saiba que Deus não se importa com a cor do seu cabelo, com suas roupas, com seu status e nem com seu nível intelectual, apenas manifeste ao redor sua mudança, assim como fez Lázaro. Seja mais um fenômeno viral daquilo que só Jesus pode fazer na sua vida. Pratique isso, amém?

Jesus Cristo Filho de Deus os abençoe, sempre!

 

Milton Marques de Oliveira - Pr

Segunda, 15 Outubro 2018 14:02

PRESSÃO

PRESSÃO

“E, projetando ele isso, eis que em sonho lhe apareceu um anjo do Senhor, dizendo: José, filho de Davi, não temas receber a Maria, tua mulher, pois o que nela se gerou é do Espírito Santo; ( Mt 1.20)

 

Mateus foi discípulo de Jesus e ao ser chamado, respondeu prontamente (Mt 9.9). Consta que ele era judeu e tinha bom conhecimento intelectual, tanto que atuava como coletor de impostos para o Império Romano, provavelmente devido sua facilidade com os números. E justamente este conhecimento intelectual foi útil para fazer os registros de seus escritos, comparando com os outros discípulos que não deixaram seus registros.

Mateus escreveu seu evangelho para os judeus e apresentou Cristo como rei de Israel, filho de Davi e filho de Abraão (Mt 27.37). É o primeiro livro do NT que praticamente abre as portas da leitura para os demais livros e cartas facilitando a compreensão dos propósitos de Deus para o homem.

Todas as pessoas passam por adversidades na vida, ninguém está isento, todavia a diferença está na gravidade delas. Uns problemas são mais complexos e outros nem tanto, mas a verdade é que as turbulências fazem parte da vida. Junto aos problemas, estão as pressões que eles exercem sobre as pessoas. Tendo problemas é certo que ninguém escapa das pressões para solucioná-lo. Na família, na faculdade, no trabalho, nas relações pessoais e em todos os lugares a pressão para resolver é certeira.

Perceba que Maria estava noiva, ou seja, ela era uma mulher reservada para casar-se com José. Segundo os estudiosos, na cultura judaica, o matrimônio compreendia duas etapas bem distintas, sendo a primeira um tipo de noivado ou compromisso, todavia sem relação conjugal. Algum tempo depois se concretizava a segunda etapa, o que se entende como o casamento propriamente dito (Dt 20.7).

Para surpresa de José, Maria apareceu grávida e nisso José passou a vivenciar uma crise. Pode-se conjeturar que ele passou a viver pressionado. Pressão de seus familiares, de seus amigos e até mesmo dos religiosos daquela cidade, pois Maria poderia sofrer perseguições dos líderes judaicos pelas circunstâncias da gravidez. Pressionado e provavelmente com muita gente falando em seus ouvidos sobre a situação que ele vivenciava, José tomou a decisão de abandonar Maria. Talvez seu desejo fosse morar em outra cidade, mas o certo é que pressionado, ele decidiu sair secretamente daquele ambiente (Mt 1.19).

Concomitante ao desejo de ir embora, Deus se manifestou a José por meio de um sonho recomendando-lhe receber Maria. Perceba que naquele cenário tudo era desfavorável, mas ele ouviu a voz do Senhor. Justo e temente a Deus, José em nenhum momento questionou aquela situação, ele simplesmente acreditou e obedeceu. Atente que José pode ter desconfiado de Maria, mas não desconfiou da fidelidade de Deus. Mesmo pressionado, ele ouviu a voz de Deus. Reflita sobre isso!

“Muitas vezes e de modos diversos falou Deus” (Hb 1.10). Não se sabe ao certo quem foi o autor da carta aos Hebreus, mas atente que Deus falou no passado e continua falando nos dias atuais por diversas maneiras. Uns veem Deus se manifestar por meio da natureza, outros quando oram e há mesmo aqueles que por meio de sonhos recebem a manifestação do Pai, assim como aconteceu com José (Jl 2.28). Diferente de muita gente nos dias atuais, José não saiu para confirmar se era mesmo Deus quem havia se manifestado, não pediu sinais e muito menos foi procurar pelos principais da sinagoga para confirmar a revelação divina.

Aliás, prática muito comum são aquelas pessoas que saem perambulando á cata de quem lhes possa revelar o oculto e nisso caem em armadilhas e são literalmente manipuladas. José creu, obedeceu e não questionou o sonho justamente por possuir um indicador cristão de rara qualidade: era justo e temente ao Senhor, por isso ele confiou (Mt 1.19). Se antes desconfiava de Maria, agora ele acreditava. “Não temas em receber Maria”, se tinha dúvida e receios, agora não mais. Saiba que quando Deus se manifesta, as portas se abrem pelo poder de sua palavra. Traga isso no seu coração!

Veja que José iria decidir conforme sua vontade, mas Deus se manifestou a ele em sonho e não só esclareceu aquela situação como orientou, cuidou e protegeu aquela família. Seja qual for a crise que estiver vivendo, seja qual for o caso que te pressiona, compreenda hoje e sempre, que sua decisão deverá ser orientada e guiada debaixo da palavra de Deus. Creia nisso, amém?

Jesus Cristo Filho de Deus os abençoe, sempre!

 

Milton Marques de Oliveira - Pr

 

Segunda, 08 Outubro 2018 16:18

VARIAÇÃO

VARIAÇÃO

"Deus abençoou Noé e seus filhos, e determinou-lhes: “Sede fecundos, multiplicai-vos, enchei a terra”. (Gn 9.1)

Escrito por Moisés o livro de Gênesis é a narrativa dos começos e é também o livro das origens de todas as coisas. Em Gênesis tem-se a origem do universo, do sistema solar, da criação do homem, dos animais, da vida, do pecado, do casamento, das variedades de línguas e de muitas outras coisas, além da origem da nação de Israel. O versículo acima está contextualizado na aliança de Deus com o Noé, chamada aliança noética. Após o dilúvio, Deus abençoou e estabeleceu um pacto com Noé dizendo para ele frutificar, multiplicar e povoar a terra (Gn 9.1-7).

Saiba que nas empresas e organizações são comuns que as recomendações superiores sejam cumpridas à risca. Há uma hierarquia na gestão do negócio e para que o planejamento atinja o resultado sem variações, é necessário que as determinações sejam mesmo executadas. Sem obediência, sem hierarquia e sem gestão nada do que foi projetado se realiza. Trata-se de uma questão lógica e simples para que os resultados sejam atingidos.

Logo após o dilúvio, Deus manifestou uma ordem a Noé no sentido de espalhar e povoar a terra e isso veio a se realizar mesmo depois da morte deste patriarca (Gn 9.7). Os descendentes de Noé foram se multiplicando, as famílias foram crescendo e tudo caminhava bem, até que reunidos, os homens tomaram a decisão de se fixarem na terra onde estavam e resolveram de comum acordo, contrariar a ordem divina. Em vez de explorarem a terra, resolveram se fixar naquela região (Gn 11.4).

Perceba que a limitação humana anda de mãos dadas com a desconfiança. Muitas das vezes o homem não confia naquilo que Deus tem falado e desconfiado das palavras do Criador, o homem atravessa as recomendações divinas e parte para decisões pessoais. Noutras palavras, veja que quebrar a aliança com Deus parece mesmo fazer parte da vida humana. Desde sempre, Deus tem se mantido firme naquilo que diz e o homem tem se mantido infiel naquilo que recebeu. Raras as oportunidades em que o homem acredita fielmente no que Deus disse e raras também as oportunidades em que o homem enfrenta adversidades e se mantém fiel ao que ele mesmo escutou de Deus a seu respeito. Reflita!

Nenhum gestor de empresas tem satisfação em ser contrariado nas suas recomendações, afinal de contas, a existência do gestor é exatamente conduzir a instituição naquilo que foi planejado em termos de alcance de resultado. Todos os projetos contemplam informações privilegiadas e justamente por saber mais, o gestor decide. Um dos atributos de Deus é a onisciência, Deus conhece o passado e vê o futuro e isso fica claro quando ELE mesmo diz que conhece todos os pensamentos e intenções do homem, senão não seria Deus (Sl 139.1-4). Resumindo, Deus possui informações privilegiadas que o homem nem sonha saber. Pense nisso!

Neste contexto, atente que aqueles homens se reuniram e tomaram a decisão de construir uma torre que ficou conhecida como Babel. Eles tinham em seus corações a intenção de ficarem por ali mesmo e não se lembraram do que Deus havia dito aos seus antepassados para se espalharem pela terra. Noutras palavras, eles tentaram executar um projeto independente ao propósito de Deus. Assim como muitos funcionários de empresas que não obedecem seus gestores, aqueles homens atravessaram um plano paralelo em desfavor do plano maior de Deus. Reflita seriamente nisso!

Compreenda que os propósitos de Deus era que eles povoassem a terra e eles deliberaram em não sair da região. Saiba que Deus não trabalha com alternativas ao que ele mesmo idealizou. Perceba que Deus interferiu para acabar com o projeto deles, mas de maneira sábia em nenhum momento Deus tocou ou feriu aqueles homens (Gn 11.7). Deus atuou cirurgicamente e apenas mudou as línguas e sem comunicação entre si, eles tiveram que abandonar aquele projeto paralelo e voltaram a se espalhar pela terra conforme as semelhanças de cada idioma. Lembre-se: o que Deus projetou vai se cumprir independente da vontade humana!

Entenda hoje e sempre por meio deste episódio que os propósitos de Deus são eternos e eles irão mesmo se realizar, você aceitando ou não. Para Deus, não há segunda alternativa e nem plano B no que ELE planejou. Deus executa sem variação, saiba disso!

Jesus Cristo Filho de Deus os abençoe, sempre.

 

Milton Marques de Oliveira - Pr

PUBLICIDADE