Milton Marques de Oliveira

Milton Marques de Oliveira

Segunda, 04 Junho 2018 18:31

BONDADE

BONDADE

“E não nos desfaleçamos de fazer o bem, pois, se não desistirmos, colheremos no tempo certo.” (Gl 6.9)

 

A carta aos Gálatas foi escrita pelo apóstolo Paulo e redigida entre 49 a 52 DC.  A grande motivação de Paulo em escrever essa carta foi que depois dele se despedir daquelas comunidades cristãs que haviam sido estabelecidas, alguns homens se infiltravam e pervertiam o evangelho anunciado por Paulo. Eles mesclavam os ensinamentos da justificação e salvação pela graça de Deus com a lei e a religiosidade judaica e isso confundia os novos convertidos. Pense!

Na carta Paulo apresentava-lhes uma mensagem revolucionária que contrariava todo o entendimento que eles tinham sobre Deus como um juiz que enxergava sempre o mérito humano (a lei mosaica, fazer e não fazer). Inspirado pelo Espírito Santo, Paulo ensinava que eles estavam errados e os orientava a depositarem sua confiança em um Deus que não levava em conta os méritos do homem. Paulo falava de um Deus cheio de amor e compaixão e isso representava uma revolução tão radical que os cristãos, inclusive os de hoje, têm sido tentados a enxergarem a salvação mediante o mérito, do fazer e receber algo em troca. Reflita seriamente sobre isso!  

Veja que ninguém nasce sabendo andar de bicicleta. Pedalar exige equilíbrio e muito treinamento e com o passar do tempo se desenvolve a prática. Para isso houve a necessidade da pessoa ser persistente, não desistir e perseverar mesmo que por vezes ela tenha caído ao solo e sofrido uns arranhões. Para dominar completamente a bicicleta e pedalar com facilidade, a pessoa tentou e falhou algumas vezes, mas perseverou e conquistou o equilíbrio.

Em suas viagens missionárias, o apóstolo Paulo estabelecia comunidades cristãs nas cidades por onde passava e depois voltava em algumas delas para verificar como elas estavam caminhando, e quando isso não era possível, ele escrevia cartas, orientando e por vezes advertindo sobre aquilo que ele tinha ensinado. Era importante que isso fosse realizado para que tantos os novos convertidos como aqueles mais antigos na fé cristã, não ficassem ao sabor de novas doutrinas que iam sendo difundidas e não criassem conflitos desnecessários (Gl 1.6-7).

Assim como o ciclista teve persistência e determinação e não se cansou, Paulo ensinava aos integrantes das comunidades a dominarem suas vontades para vencerem as provações da carne, que teimava em fazer o mal. Era preciso procurar pela excelência na realização do bem às demais pessoas como serviço de Deus, da mesma forma que fez Cristo, curando, sarando e apresentando dia após dia a bondade na prática.

Entenda que por vezes as pessoas se sentem decepcionadas quando fazem o bem e perguntam se valeu a pena fazer isso ou aquilo, acreditando muitas das vezes que o ato da bondade em si nem foi observado. Dessa frustração nasce a desistência e justamente por isso, muitos nos dias atuais não praticam mais a bondade. Eles cansaram e desistiram quando a frustração bateu a porta por não terem sido reconhecidos naquilo que fizeram. Atente para isso!

Paulo deu ênfase que a caminhada cristã se assemelha a uma corrida, não uma corrida curta, mas uma maratona. E uma maratona para ser vencida necessita que o corredor seja persistente para cruzar a linha de chegada, e essa linha é descrita como o objetivo a ser alcançado. Lembre-se que ninguém cruza essa linha praticando maldades, tenha isso em mente (1 Co 9.24-25). Aqueles novos cristãos estavam vivendo um novo ciclo em suas vidas e era importante que eles tivessem consolidados em seus corações que suas vontades e desejos pessoais de fazer o mal não tinham mais nenhuma ascendência sobre suas decisões (2 Co 5.17). Era uma nova maneira de viver!

Tenha em mente que a vida terrena do cristão deve ser conduzida de maneira diferenciada. Paulo via o crente com um referencial para outras pessoas e isso deve ser o objetivo do cristão de hoje. Compreenda que se a persistência faz o aprendiz andar de bicicleta com excelência, de maneira idêntica deve o homem persistir em praticar a bondade, mesmo que seus atos não sejam reconhecidos.

“Tudo o que aprendestes, recebestes, ouvistes e vistes em mim, isso praticai; e o Deus de paz estará convosco.” (Fp 4.9). O incrível é que Paulo chama a responsabilidade para si de forma a animar os cristãos a praticarem tudo aquilo que aprenderam. Tiago corrobora com este pensamento ao afirmar que o crente deve ser praticante da palavra e não mero ouvinte (Tg 1.22). Portanto, seja persistente, pratique o bem e verá as mudanças acontecerem para melhor na sua vida. Não deixe que o cansaço e as decepções o impeçam de ser um “fazedor do bem”. Viva assim, amém?

Jesus Cristo Filho de Deus os abençoe, sempre!

 

Milton Marques de Oliveira - Pr

Terça, 29 Maio 2018 10:31

MÉTODO

MÉTODO

“Então, Ele tomou o cego pela mão e o conduziu para fora da aldeia. Em seguida, cuspiu nos olhos daquele homem e lhe impôs as mãos. E indagou: Vês alguma coisa?”  (Mc 8.23)

 

Marcos não foi discípulo de Jesus e escreveu o seu evangelho com informações de Pedro, a quem era muito próximo. Dos quatro evangelhos Marcos é o menor em conteúdo, todavia, conforme os historiadores, ele foi o primeiro evangelho a ser escrito sobre o ministério e a vida de Cristo. Marcos apresenta Cristo como o servo, ou seja, aquele que veio para servir.

Acima tem-se a maneira que Cristo usou para curar um cego residente na cidade de Betsaida. Toda a narrativa deste milagre está contida em apenas cinco versículos e foi registrado somente pelo evangelista Marcos (Mc 8.22-26).

Raras são as pessoas que podem afirmar que nunca precisaram dos serviços de um médico. Nos hospitais, clínicas e consultórios o que mais se vê são pessoas procurando por assistência médica. Alguns com enfermidades mais graves são encaminhados para internação e outros para serem tratados em casa. Todos recebem uma receita médica com orientações e assim a vida segue o seu curso.

Veja que Jesus ao chegar à cidade de Betsaida, foi lhe apresentado um homem cego. Não há informações se era cego desde o seu nascimento ou se alguma doença o levou a essa situação. Atente que Jesus o tomou pela mão, caminhou com ele para fora da cidade e usando a saliva, passou sobre seus olhos em duas etapas e o milagre aconteceu. Era cego e passou a enxergar.

Compreenda que aquele homem reconhecia sua enfermidade, tanto que a palavra diz que alguns amigos dele o trouxeram a Jesus, ou seja, ele chegou guiado.  Certamente que confiou nas mãos que o levaram até Cristo e mais certo ainda são outros fatos lhe aconteceram. A primeira foi ele confiar nas mãos de Jesus que o tirou para fora da cidade, afinal ele só tinha escutado falar de Jesus e aquela foi a primeira oportunidade que se encontraram. O segundo fato que aconteceu e que gerou o milagre, foi a metodologia de cura do Mestre. Ele usou saliva, um processo de cura muito diferente dos outros milagres que ele tinha usado até então.

Saiba que quando as pessoas procuram por um médico, especialista ou não, elas agem conforme o cego. Reconhecem que algo em seu corpo não está bem, ou seja, a pessoa reconhece a doença e procura por ajuda. Enfrentam filas intermináveis, alguns caminham longas distâncias, esperam horas para ser atendido, passam por dores e sofrimentos que causam impactos nos familiares e amigos, para somente depois receberem o atendimento e o receituário. Atente que cada médico tem sua forma de trabalhar, uns receitam comprimidos, outros injeções, outros cirurgias e tem aqueles que recomendam exercícios e restrições alimentares. Alguns tratamentos levam anos. Para se curar, o cidadão se submete ao processo do médico. Reflita!

Perceba que o cego ao sentir que Cristo estava usando saliva poderia muito bem reclamar. Poderia alegar nojo, poderia tentar impedir colocando os braços na frente da cara ou mesmo se limpar. Mas o incrível foi que ele reconhecia sua enfermidade e aceitou a metodologia de Cristo. Traga isso para os dias atuais e compreenda bem a semelhança deste cego com inúmeras pessoas. Elas reconheçam suas doenças, mas não querem se submeter ao tratamento de cura apresentado por Cristo. Até desejam a cura, mas não aceitam a metodologia. Querem ser sarados e curados de suas feridas, mas de uma maneira rápida, sem dores e sem renúncia. Reflita seriamente sobre isso!

Reconheça que Jesus curou muitas pessoas e tem curado todos aqueles que aceitam se submeter à sua maneira. Para uns ele apenas tocou, para outros ele curou impondo as mãos, outros ele usou a voz e para o cego de Betsaida, ele empregou a saliva. Cristo tem sua maneira de agir e cabe aos doentes, aceitar o tratamento ou continuar doente. O cego de Betsaida venceu o medo, a insegurança e facilitou sua cura não criando embaraços ao método de Jesus e foi curado. Teve sua vida transformada.

Compreenda hoje e sempre a existência de muitas pessoas, dentro e fora das igrejas, que vivem doentes na alma, presos as suas próprias vontades, orgulhosas, ligados a seus medos e as suas inseguranças. Estão mortos espiritualmente por que não querem se submeter ao processo que Jesus oferta. Aceitam o tratamento do médico secular, mas recusam se submeter ao processo de Cristo e continuam doentes. Compreendes isto?

Jesus Cristo Filho de Deus os abençoe, sempre!

 

Milton Marques de Oliveira - Pr

 

 

PUBLICIDADE