Milton Marques de Oliveira

Milton Marques de Oliveira

Terça, 17 Julho 2018 12:57

GRAVIDEZ

GRAVIDEZ

“Disse então Maria. Eis aqui a serva do Senhor; cumpra-se em mim segundo a tua palavra. E o anjo ausentou-se dela”. (Lc 1.38)

 

O evangelho de Lucas tem a característica de apresentar muitos milagres de Cristo. Lucas, médico por formação, oferece no seu evangelho detalhes dos milagres e os relaciona com a misericórdia e compaixão do Mestre pelas pessoas que necessitavam de uma mudança de vida. Lucas apresenta Cristo como o Filho do homem e é o único evangelista que registra a infância de Jesus.

O nascimento de Cristo foi algo fenomenal da parte de Deus. Em toda a história da humanidade, nada se compara a vinda de Cristo e sua apresentação à humanidade, falha e pecadora. Esta história do nascimento é narrada por Lucas e o versículo acima está dentro deste contexto (Lc 1.26-38)

Muitas pessoas, crentes em Jesus se manifestam claramente no desejo em fazer a vontade de Deus, levando a mensagem de salvação e do perdão dos pecados a todas as pessoas. Isso é louvável, aliás, saiba que nem é necessário realizar grandes eventos para isso, cada crente é encarregado desta importante missão que foi falado por Cristo e registrado nos quatro evangelhos (Mt 28.16-20; Mc16-16-18. Lc 24.46-48 e Jo 17.18). Lembre-se que o serviço de Deus pode ser feito de diversas maneiras, desde as mais simples atividades até as mais complexas e mais vistosas, como ensinar ou pregar nos púlpitos das igrejas. Existe uma gama considerável de atividades dentro dos planos de Deus às pessoas que podem ser realizadas por quem se disponha. Pense nisso!

Perceba que o nascimento de Jesus foi precedido pela manifestação do anjo Gabriel que trouxe a mensagem de Deus a Maria. Disse que ela seria mãe do redentor da humanidade, seria mãe daquele que reinaria gloriosa e eternamente. Lembre-se que séculos antes, o profeta Isaías já tinha sinalizado e feito referências ao menino que nasceria e seria chamado de Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade e Príncipe da Paz (Is 9.6)

Entenda que as pessoas são ferramentas, instrumentos nas mãos de Deus para cumprir seus propósitos. Em toda a escritura isso é perfeitamente visível. Muitos personagens bíblicos foram usados por Deus em diversas ocasiões e cada um deles interpretou bem o seu papel, fazendo com excelência aquilo que foi projetado pelo Pai. Até aqueles que se diziam incapazes, Deus os capacitava. Tinham lá suas deficiências, mas entendiam os sinais do céu e se mostravam dispostos a fazer o que Deus requeria deles (Ex 3.10-12 e Jr 1.6-76).

Diferente de muitos hoje em dia, veja algumas particularidades da gravidez de Maria no cumprimento do projeto de Deus: “achaste graça diante de Deus” (Lc 1.30). Maria foi literalmente surpreendida com a visita do anjo e com a missão de engravidar. Era uma mulher que Deus encontrou graça, ou seja, era uma mulher cujo coração reverenciava e temia ao Senhor e isso foi observado por Deus para dar a ela importante missão.

 “Eis aqui Tua serva” (Lc 1.38). Demonstrou humildade ao reconhecer Deus como o Senhor de sua vida. Ter uma gravidez naquelas circunstâncias era uma missão difícil pelo cenário daquela época (era virgem e prestes a se casar), mas ela se colocou e se posicionou dentro dos propósitos do Pai. Diferente de tanta gente nos dias atuais, que se orgulham pelo que fazem em prol do reino e saem a propagandear o que fazem. Temente a Deus ela não divulgou sua gravidez, mas se guardou ao receber a missão. Compreenda que ela desejava ser reconhecida por Deus e não pelos homens. Reflita sobre isso!

“Cumpra-se em mim” (Lc 1.38). Teve disposição de fazer. A gravidez em todo o seu contexto era uma missão complexa, mas se mostrou disposta a enfrentar. Entenda que por vezes Deus requer missões difíceis de serem feitas. Existem atividades que são deixadas de lado porque não dá visibilidade e nem projetam os nomes das pessoas para grandes públicos. Era como se Maria dissesse ao anjo “estou pronta, eu sei que vai ser complicado explicar tudo isso, mas eu aceito a missão.” No propósito de Deus, ela se dispôs mesmo com um cenário adverso. Pense nisso!

“segundo a tua palavra” (Lc 1.38c). Maria demostrou total submissão à palavra de Deus. Justamente a mesma palavra que foi dita por tantos profetas que viria o salvador, que viria de Nazaré, que nasceria de uma virgem e que viria para o resgate de muitos. Ela conhecia o poder da Palavra e não questionou! Ela se submeteu a vontade do Pai e nada impediu que o plano de Deus em enviar seu filho fosse realizado (Hb 10.36). Compreenda hoje e sempre, que humildade, disposição e submissão à vontade do Pai são fundamentos que Deus continua a requerer para cumprir os seus propósitos. Creia nisso, amém?

Jesus Cristo Filho de Deus os abençoe, sempre!

 

Milton Marques de Oliveira - Pr

Terça, 10 Julho 2018 09:58

INTIMIDADE

INTIMIDADE

“Então o rei virou o rosto para a parede, e orou ao Senhor, dizendo:    3; Lembra-te agora, ó Senhor, te peço, de como tenho andado diante de ti com fidelidade e integridade de coração, e tenho feito o que era reto aos teus olhos. E Ezequias chorou muitíssimo.” ( 2 Rs 20.2-3)

 

Os livros de Reis abordam as ações dos governos de Judá e Israel. São registrados nestes dois livros os atos dos bons e dos maus governantes. Conforme o cânon hebreu, os dois volumes de I e II Reis, formavam um único livro, mas foram separados pelos rabinos que fizeram a tradução das Sagradas Escrituras do hebraico para o grego. Ambos os livros são históricos do AT e estão posicionados logo após o Pentateuco. Neles estão registrados a história dos governos de Israel e Judá desde a conquista de Canaã até a queda de Jerusalém, nos idos de 586 A.C.  

Uma raridade nos dias atuais é encontrar alguém que não tenha conta nas redes sociais. Dentre as diversas redes sociais disponíveis, é praticamente certo que ao menos em uma delas, a pessoa tenha conta, isso quando ela não tem conta em duas ou mais redes. Elas foram idealizadas para aproximar pessoas por meio de mensagens de textos e fotografias e justamente neste quesito pode-se afirmar que elas têm cumprido seu papel de integração.

Ezequias era rei de Israel, fazia um bom governo e conduzia o povo dentro dos preceitos do Senhor, todavia, encontrando-se doente recebeu a péssima notícia de que iria morrer. Obviamente que ninguém espera receber uma notícia deste porte, e pior era que ele estava enfermo. Isso agravava sua situação, pois já dava para entender que sua enfermidade iria levá-lo a morte. Ato contínuo o rei virou seu rosto para a parede de seu aposento, chorou e fez uma oração.

Diferente do rei Ezequias que levou seu caso a Deus, perceba uma particularidade muito comum aos integrantes das redes sociais nos dias de hoje. Quando alegres, postam imagens de lugares onde estão. Quando tristes, publicam longos textos, filosofando sobre causas e efeitos de sua melancolia. Doentes, publicam seu sofrimento e uns até enriquecem a notícia postando foto. Enfim, para cada situação vivenciada as pessoas postam publicações noticiando seu status quo.

Veja que Ezequias poderia reunir os servos de seu palácio, chamar seus assessores e conselheiros e dar a noticia que recebera do profeta. Deus havia dito que iria morrer em decorrência da doença. Afinal, era rei e deveria dar satisfação aos súditos, mas o incrível foi que ele não fez nada disso. Ele voltou seu pensamento a Deus, orou e clamou a quem poderia realmente dar uma solução! Reflita isso na sua vida!

De nada adianta as centenas de milhares de postagens noticiando a situação de momento, de nada valem as milhares de curtidas e nada valem os compartilhamentos nas redes sociais. Nenhuma curtida pode fazer qualquer coisa por alguém. Apenas massageiam o ego de quem faz as publicações e mesmo assim, ainda ficam sujeito as críticas, afinal de contas nem todos simpatizam com todos nas redes sociais. Aliás, saiba que é justamente neste ambiente virtual onde se proliferam toda sorte de ofensas, falsidades e maledicências. Creia nisso!

Íntimo de Deus, Ezequias reinou em Israel com fidelidade e integridade de coração e em todo o período de seu governo, fez o que era correto aos olhos de Deus e mesmo assim, ficou doente.  Enfrentou os desafios de sua doença crendo que Deus o curaria de sua enfermidade, sem dar a publicidade que é tão comum nos dias de hoje. “Lembra-te agora, ó Senhor, te peço, de como tenho andado diante de ti com fidelidade e integridade de coração,” (2 Rs 20.2). Atente que Ezequias não fez uma longa oração pedindo cura, ele tinha intimidade com Deus e apenas puxou à memoria quem ele era diante do Pai. Reflita seriamente sobre isso!

Perceba que o rei Ezequias tinha relacionamento com Deus e não aceitou sua tragédia, não deu amplitude de sua iminente morte aos seus familiares e súditos, mas cuidou de se reportar a Deus. Entenda que não adianta as pessoas se valerem das tecnologias para tornarem público suas alegrias, angústias, tristezas e enfermidades. Do outro lado estão homens e mulheres em idênticas situações de doenças e desajustes, portanto, incapazes de ajudar e propiciar uma solução a quem quer que seja. Lembre-se, hoje e sempre, de fazer como o rei Ezequias, demonstre ser íntimo de Deus e traga a memória do Criador quem você é diante dele e ELE dará solução a seu respeito. Faça assim, amém?

Jesus Cristo Filho de Deus os abençoe, sempre!

 

Milton Marques de Oliveira - Pr

Terça, 03 Julho 2018 10:18

PERSEVERANÇA

PERSEVERANÇA

“E apareceu-lhe o Senhor e disse: Não desças ao Egito; habita na terra que eu te disser;    3; peregrina nesta terra, e serei contigo e te abençoarei..;” (Gn 26.2-3)

 

Gênesis é o primeiro livro do AT e também conhecido o livro dos começos e foi escrito por Moisés. O livro traz o começo de todas as coisas, desde a criação da Terra, das águas, das estrelas, dos animais, do firmamento e logicamente da vida humana. O livro narra a história dos patriarcas Moisés, Abraão Isaque e Jacó e tem com riqueza de detalhes a história de José. Gênesis apresenta de maneira progressiva a auto revelação de Deus, culminando com Cristo já no Novo Testamento.

O versículo acima está contextualizado na pessoa de Isaque, que acatando orientação de Deus foi morar em terras distantes, e precisando de água para si e seus animais, determinou a seus servos que cavassem poços, mas se viram envolvidos em desavenças com os pastores filisteus. Essa situação perdurou por duas oportunidades distintas, até que na terceira vez, cavaram um poço de água e não houve mais confrontos (Gn 26.17-25).

Uma prática comum na gestão do governo é o controle de empresas que abrem e encerram suas atividades. Essas informações são importantes para o próprio governo criar suas políticas públicas na gestão da indústria, do comércio e da economia. Ao final de certo período, são verificadas quantas iniciaram e quantas não se estabeleceram e fecharam suas portas.

Veja que Isaque estava no território dos filisteus e seus servos cavaram cisternas. A água sempre foi um bem muito precioso para a humanidade e naquela época não era diferente, todavia, se percebe que Isaque mandou que fossem perfuradas duas cisternas e em ambas os filisteus entraram em confronto por causa da água. Nas duas situações Isaque abandonou as cisternas entulhadas e prosseguiu em frente (Gn 26.18-22).

Saiba que alguns empresários são ótimos para inaugurar. Conseguem vislumbrar excelentes oportunidades para empreender algum negócio, conseguem enxergar boas oportunidades para instalar uma indústria ou um comércio, mas assim que aparecem as primeiras dificuldades, desistem do empreendimento, abandonam aquilo que foi projetado, deixam para trás todo esforço de planejamento e se derramam em reclamações contra tudo. Alegam que não deu certo por causa do governo, por causa do ponto comercial ou mesmo por não ter pessoas qualificadas para trabalhar no negócio. Motivos é que não faltam. Resumindo, eles não conseguem estabelecer.

Pense que Isaque poderia desistir também. No primeiro confronto com os pastores nativos, ele poderia reunir as pessoas que com ele estava e abandonar tudo. Mas ele seguiu para a segunda escavação. E novamente houve conflito e mais uma vez Isaque foi impedido de usufruir daquilo que ele e seus servos construíram. Veja que foram duas oportunidades diferentes e em ambas ele não usufruiu da água.

Perseverante, Isaque partiu para a terceira perfuração (Gn 26.22). Incrível, ele não ficou olhando para trás, para as duas experiências anteriores que não foram boas. Não ficou triste e abatido pelos conflitos do passado onde os seus inimigos lhe empurraram para fora. Não murmurou e nem se chateou. Ele não se deixou levar pelas circunstâncias e nem ficou parado olhando para as nuvens. Prosseguiu, avançou e buscou na sua memória que fora Deus quem tinha lhe mandado para aquelas terras, portanto, nada tinha a temer (Gn 26.2).  Isso é confiança em Deus!

Muitos abrem seus empreendimentos debaixo de oração e de uma palavra e desistem facilmente de seus negócios nos primeiros empecilhos. A menor das turbulências é suficiente para criar o abandono. Deixa evidente que possuem memória curta e esquecem o que Deus falou no começo de sua trajetória. Reflita isso na sua caminhada!

Entenda que Isaque persistiu e fica implícito que ele não apagou de sua memória as palavras de Deus (Gn 26.2). Deus provou Isaque em duas oportunidades e nelas viu Deus que ele obedecia. Obedeceu quando não foi para o Egito e obedeceu quando não desistiu de permanecer naquelas terras, mesmo com as dificuldades iniciais.  

Compreenda por meio deste episódio que adversidades, tribulações e eventuais embaraços sempre existirão, mas não permita que experiências negativas do passado o impeça de prosseguir! Tenha isso no seu coração. É para frente que se caminha!

Jesus Cristo Filho de Deus os abençoe, sempre!

 

Milton Marques de Oliveira - Pr

Pagina 1 de 46

PUBLICIDADE