Segunda, 24 Maio 2021 09:14

CASO PERDIDO

Escrito por
Avalie este item
(3 votos)

CASO PERDIDO

“Apesar de tudo vós me abandonastes para cultuares a outros deuses. Por isso não os livrarei mais!” (Jz 10.13) 

 

O livro dos Juízes faz parte dos livros históricos e narra um período de transição do povo Hebreu, ou seja, era a saída dos grandes líderes Moisés e Josué para entrada dos governos dos reis. Sua data remonta ao século XI AC e naquela época sem a presença de Moisés e Josué e sem uma liderança definida, o povo Hebreu lutava para consolidar a posse nas terras de Canaã. Segundos os estudiosos é bem provável que o livro tenha sido escrito pelo profeta Samuel e o nome de Juízes foi dado em decorrência dos diversos homens e uma mulher (Débora) que se tornaram líderes militares nas guerras que a nação israelita enfrentou.

Veja que existem pessoas que estão tão perdidas física e espiritualmente que muitos entendem que elas nunca mudarão seus comportamentos. Noutro giro, há aqueles que quando olham para si mesmos, também não veem nenhuma chance de uma transformação. Enfim, para ambos casos, essas pessoas se enxergam como casos perdidos, se veem abandonadas e sem chances de vivenciarem uma efetiva mudança, física ou espiritual.

Entenda que todo grupo de pessoas, seja ele pequeno, médio ou grande, carece de uma liderança no sentido de agrupar as ideias e assim atingir os resultados propostos. A literatura diz que líder é aquele que capacita, motiva, influencia e que gera entusiasmo aos seus liderados.

Atente bem que naquela época, tanto Moisés como Josué já estavam mortos e o povo Hebreu lutava para consolidar a posse nas terras da promessa. Sem a figura de uma liderança forte, o que mais se via era cada um fazendo o que lhe dava na cabeça (Jz 21.25). E este fato de cada um fazer o que achava certo, trouxe logicamente o afastamento espiritual, ensejando um ciclo que se repetia continuamente:  desobediência, afastamento, arrependimento e restauração a Deus. Passado algum tempo, o mesmo ciclo se repetia.

Dentro deste ciclo, houve momento em que aquela nação abandonou literalmente a Deus e passaram a  servir a outros deuses e essa ação ocasionou a justa retribuição de Deus (Jz 10.6). Noutras palavras, a instabilidade espiritual trouxe sérias  consequências e o assustador é que o mesmo Deus que os libertou de escravidão no Egito, que abriu o Mar Vermelho e deu vitórias nas guerras, simplesmente permitiu que os inimigos trinfassem e o povo de Israel foi subjugado e massacrado (Jz 10.7).

Mais a frente, sentindo na pele as ações do inimigo que o afastamento de Deus provocou, a narrativa diz que o povo Israel se arrependeu, confessou os pecados e aquilo que era um caso perdido na visão de muitos, teve uma reviravolta e Deus não reteve sua bondade e sua misericórdia (Jz 10.16). Noutras palavras, onde abundou o pecado, superabundou a graça (Rm 5.20). De forma resumida, o relacionamento foi restaurado graças a eficácia e eficiência da graça de Deus. Reflita!

“Caso perdido”é o rótulo que muita gente recebe devido a comportamentos e posturas tão ruins que nada há que possa dar um jeito. Veja que os israelitas abandonaram o Deus que os libertou da escravidão e foram atrás de deuses estranhos e esse desvio espiritual sempre foi um evento abominável ao Senhor, tanto que o próprio Deus já tinha previsto e até inseriu este mandamento nas tábuas da lei (Ex 20.3).

Traga essa história para os dias atuais e compreenda que quando se fala de homens e mulheres tidos como casos perdidos, o pensamento dominante é que já foram feitos todos os esforços e nada deu jeito na vida deles. Todavia, essa narrativa  mostra que o povo de Israel reconheceu o erro, sentiu o peso e as consequências do pecado, confessaram e mudaram de mentalidade. E essa nova postura trouxe uma reviravolta física e espiritual. E lembre-se que isso somente aconteceu quando eles reconheceram que estavam no caminho errado e ajustaram a rota, sem questionar e nem impor condições. Guarde isso!

Perceba que hoje muitas pessoas estão em caminhos errados e optam por tentar justificar seus comportamentos, alegando inúmeras situações e circunstâncias para dar sustentação a suas atitudes inapropriadas.  Outros gostam de se vitimizar, imputando a responsabilidade de seus erros a familiares e colegas, tentando terceirizar a culpa, aliás, Adão fez isso quando culpou Eva (Gn 3.12). Perceba que o povo confessou a Deus o desvio e que  eles estavam mesmo adorando deuses estranhos e viu Deus, em toda sua bondade que a confissão era verdadeira e estendeu a mão com misericórdia, graça e amor.

Saiba aqui que toda confissão é libertadora e que só uma declaração plena da culpa traz paz e leveza ao coração. Entenda bem que enfrentar o mal que afasta o homem de Deus, desmascarar o pecado que insiste em morar no coração, matar o orgulho e admitir os erros é coisa para os fortes. Creia nisso!

 Jesus Cristo Filho de Deus os abençoe, sempre!

 

Milton Marques de Oliveira - Pr

Ler 403 vezes Última modificação em Domingo, 30 Maio 2021 15:37
Mais nesta categoria: « PROVIDÊNCIA GUARDA-CHUVA »

PUBLICIDADE