Milton Marques de Oliveira

Milton Marques de Oliveira

Terça, 22 Setembro 2020 23:55

22/09/2020 - CULTO "FÉ E VIDA"

Segunda, 21 Setembro 2020 17:52

CRÉDITOS

CRÉDITOS

“E aconteceu que estando Pilatos sentado no trono do tribunal, sua esposa lhe enviou a seguinte mensagem: “Não faças nada contra este homem inocente; pois hoje, em sonho, muitas coisas sofri por causa dele.” (Mt 27.19).

 

A narrativa de Mateus é a primeira na ordem do Novo Testamento  e a primeira dos evangelhos. Mateus era judeu e escreveu seu evangelho aos seus compatriotas, apresentando Jesus como o rei de Israel e Filho de Davi. São poucas as informações sobre Mateus, contudo, sabe-se que ele era cobrador de impostos para o Império Romano e por isso ele não era bem aceito pelos seus compatriotas. Pode-se afirmar que Mateus possuía bom conhecimento com os números em razão de sua função. Um detalhe interessante de sua vida é que ao chamado de Jesus para seguir o Mestre, ele não pensou duas vezes, rapidamente abandonou o trabalho, o poder, o dinheiro, o status e se entregou ao reino de Deus (Mt 9.9).

Contextualizando o versículo acima, nos momentos que precediam a crucificação de Jesus, Pôncio Pilatos recebeu uma mensagem de sua esposa. Ela intercedia por Cristo e pediu ao seu marido não fizesse nada contra Jesus. Para Pilatos, era uma voz conhecida, entretanto, ele não ouviu a voz da esposa e o julgamento contra Jesus seguiu seu curso (Mt 27.15-26).

Compreenda que vivemos num mundo de muitos ruídos, de muitos sons e de muitas vozes. Ora as pessoas influenciam e ora elas são influenciadas. Em todo ambiente, seja ele doméstico, familiar, comercial ou em centenas de outros ambientes, é certo que nem sempre as pessoas fazem aquilo que efetivamente elas desejam fazer. Grande parte das oportunidades, as pessoas são induzidas a realizar algo que nem estava planejado, mas acabaram fazendo em decorrências de vozes que as influenciaram.

Neste contexto atente que muita gente usa determinado tipo de roupa porque foi influenciada, viu alguém usar e acabou por adquirir uma peça igual. É assim que acontece com quase tudo o que se fabrica e se produz no mundo. As pessoas são levadas a agir de certa maneira, não porque elas assim desejam, mas por que foram guiadas, conduzidas a assim proceder por influência de alguém. Ou seja, antes da decisão, houve uma voz que direcionou essa escolha. Reflita!

A narrativa de Mateus diz que Pilatos não quis dar créditos a uma advertência de sua própria esposa, muito embora ela tenha dito que teve um sonho e neste sonho ela sofreu muito por causa de Jesus. Sem dar atenção à voz de sua esposa que inclusive chamou Jesus de homem justo, Pilatos optou em lavar as mãos, num gesto simbólico de dizer “não tenho nada a ver com isso”. Perceba que ele não ouviu a voz da sua mulher, mas escutou as vozes da multidão que pediam pela crucificação, vozes essas que eram influenciadas por outras vozes, a dos sacerdotes e líderes judaicos (Mt 27.20). Noutras palavras, as vozes contrárias se fizeram mais fortes em detrimento da voz que anunciava a verdade. Guarde isso!

Compreenda bem que Deus dotou o homem de inteligência e sabedoria, e neste sentido, ele tem plenas condições para distinguir as muitas vozes que podem colocá-lo ou tirá-lo do caminho certo (Jo 14.6). Numa abordagem espiritual, perceba que o diabo se manifesta manipulando os incautos e até mesmo a vontade humana também se manifesta aos ouvidos do homem tentando convencer que sua voz é a melhor opção na tomada de decisão. Saber frear essas vozes, ter discernimento para brecar estes sons é primordial para uma caminhada cristã dentro dos parâmetros celestiais. Lembre-se que vozes de mentira, continuam sendo mentiras, mesmo existindo pessoas que acreditam serem elas a verdade. Reflita!

Entenda que a narrativa de Mateus não detalhou o sonho da mulher de Pilatos, sonho esse que precedeu seu recado ao marido, mas qualquer que tenha sido este sonho, é bem provável que ela tenha experimentado terríveis sensações de medo e pavor, é provável que ela tenha passado por situações de terror e mesmo assim, com toda essa perturbação, sua voz que narrou a verdade não foi o bastante para mudar a posição de Pilatos. Ele deixou de escutar a voz da verdade para escutar a voz da mentira.

Traga essa situação para os dias de hoje e atente para quantas vozes que exalam a verdades e não são ouvidas. Analise hoje quantas vozes indicando o caminho certo e quantos bons conselhos foram atirados fora e quantas vozes da mentira e do erro prevaleceram, justamente porque não deram créditos à voz da verdade? Este é o contexto atual, onde muitas vozes, muitos ruídos e muitos sons mentirosos tem gerado a corrupção, a violência, as agressões e logicamente estão provocando o afastamento de muita gente dos caminhos de Deus. Então, guarde isso: ter sabedoria, ser esperto e inteligente é antes de tudo, se fazer de surdo às vozes que podem te afastar da verdade. Creia nisso!

Jesus Cristo Filho de Deus os abençoe, sempre!

 

Milton Marques de Oliveira - Pr

Terça, 15 Setembro 2020 23:59

15/09/2020 - CULTO "FÉ E VIDA"

Terça, 15 Setembro 2020 23:55

13/09/2020 - CULTO DE CELEBRAÇÃO A DEUS

Terça, 15 Setembro 2020 23:52

11/09/2020 - PAPO DE CASAIS

Terça, 15 Setembro 2020 17:41

ILUSÃO

ILUSÃO

“Tendo saído Ló, falou com seus genros, que haviam de casar com suas filhas, e disse-lhes: Levantai-vos, saí deste lugar, porque o Senhor há de destruir a cidade. Mas ele pareceu aos seus genros como quem estava zombando”  (Gn 19.14)

 

Gênesis, escrito por Moisés é o livro que trata dos começos. Começo da criação por Deus dos mares, das estrelas, do sol e da lua, das florestas e também da parte seca (terra). Gênesis é o livro onde Deus se revela ao homem e onde também está a narrativa da queda do mesmo homem, criado por Deus á sua imagem e semelhança. Dentro do conjunto de livros e cartas que compõem a Bíblia, Gênesis está inserido no Pentateuco, grupo dos primeiros cinco livros escritos por Moisés (Gênesis, Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio).

Ló e sua família moravam na cidade de Sodoma, entretanto, juntamente com a cidade de Gomorra, ambas eram cidades depravadas. A narrativa diz que do mais novo ao mais velho, todos os homens estavam envolvidos em práticas homossexuais (Gn 19.4). Naquela decadente situação, Deus resolveu intervir, mas antes enviou anjos para proteger e tirar Ló e seus familiares da destruição. Ele mesmo avisou seus genros, todavia, eles não acreditaram nas palavras ditas por Ló, imaginaram que ele estava brincando (Gn 19.1-14).

Atente bem que Deus fez o homem e lhe concedeu vontades e desejos. Saber lidar com seus sentimentos tem sido a grande dificuldade para muita gente. Por vezes as vontades humanas chegam a ser cruéis, fazendo do próprio homem o seu escravo. Recusar doces e guloseimas é muito difícil para uma criança, assim como para os adultos não é fácil se livrar dos vícios do álcool, do cigarro e das drogas. Vencer a vontade e os desejos humanos é mesmo custoso e se torna o grande desafio da humanidade!

A Bíblia não relata os nomes dos dois rapazes que iriam se casar com as filhas de Ló. Pela narrativa perceba que eles não deram crédito no que o futuro sogro dizia sobre a destruição das duas cidades e acreditaram que fosse uma piada, que Ló estivesse criando uma situação para rir deles. Pode-se crer que os dois rapazes o conheciam bem, afinal estavam para casar com as meninas, mas a história mostra que eles não levaram seu futuro sogro a sério e pagaram caro pela ilusão.

Ficou evidente que estes dois rapazes deixaram que suas vontades e desejos falassem mais alto. Ambos nutriam a vontade de casarem e pode-se imaginar que já tinham planos e projetos com o casamento, que já tinham a lista de convidados e já tinham organizado aonde iram residir com suas esposas, enfim, a vontade de casarem estava mais que estabelecida e as palavras de Ló para irem embora, abandonando o projeto de constituir uma família soava mesmo como piada, aliás, na visão deles, uma piada de mau gosto.

Para acatarem as palavras de Ló, os dois rapazes deveriam renunciar a muita coisa. Renunciar o casamento, a festa, os amigos, os colegas, renunciar a família que tinham (pais e irmãos) e renunciar a família que estavam para constituir. Toda a vontade deles estava firmada no casamento e de repente, aparece Ló pedindo para esquecerem tudo e irem embora. Era uma proposta para começar tudo de novo, noutro lugar, noutro ambiente.

Saiba que nem sempre é fácil acreditar em novos projetos quando o atual já está caminhando e, teoricamente, fluindo bem. As pessoas vivem hoje com objetivos muito bem traçados e por vezes, o novo não é bem compreendido e nem assimilado. O novo sempre representa algo desconhecido e isso traz medo e desconfiança, dificultando sobremaneira a tomada de decisão. Para os dois rapazes, focados nos planos de um casamento que se aproximava, o chamado para irem embora era brincadeira, uma zombaria do sogro. Aprenda que na verdade, eles foram iludidos por eles mesmos quando não acreditaram no novo que se aproximava com muita velocidade. Reflita!

“...esquecendo-me das coisas que para trás ficam e avançando para as que estão adiante de mim; apresso-me em direção ao alvo, a fim de ganhar o prêmio da convocação celestial de Deus em Cristo Jesus.”  (Fp 3.13-14)  Paulo confessa na carta as Filipenses que nem sempre as perdas são mesmo perdas. Na verdade, existem perdas que são excelentes ganhos e Paulo deixa isso evidente quando renunciou tudo àquilo que possuía em termos de reconhecimento dos sacerdotes, de status, poder e autoridade para viver uma vida com Cristo, a mesma vida com Cristo que lhe causou prisões, surras, fome, naufrágio, sede e tantas outras coisas mais que lhe afligiram o físico e machucaram sua alma.

A história diz que apenas Ló e suas filhas se salvaram da destruição. Sua mulher foi iludida pelo coração e não quis renunciar as perdas materiais e seus futuros genros não lhe deram créditos. Deus estava movendo para salvá-los, mas os três optaram por acreditar na ilusão das suas vontades e essa ilusão os levou a um péssimo resultado, a morte. Resumindo: Ninguém gosta de perder, mas saiba que existem perdas que são ganhos. Guarde isso no seu coração, amém?

Jesus Cristo Filho de Deus os abençoe, sempre!

 

Milton Marques de Oliveira - Pr

Quarta, 09 Setembro 2020 01:29

08/09/2020 - CULTO "FÉ E VIDA"

Segunda, 07 Setembro 2020 11:00

PRUDÊNCIA

PRUDÊNCIA

“Sabendo-o eles, fugiram para Listra e Derbe, cidades de Licaónia, e para a província circunvizinha;” (At 14.6)

 

O livro de Atos dos Apóstolos foi escrito por Lucas, o mesmo autor do terceiro evangelho, aliás, Atos dos Apóstolos pode ser visto como uma continuação do evangelho de Lucas inclusive ele é dirigido ao mesmo personagem (At.1.1-2; Lc.1.1-3). A narrativa de Lucas mostra com detalhes as dificuldades iniciais do começo do que hoje se conhece como igreja. O livro traz os milagres e também as muitas ações de Paulo, Pedro e Barnabé dentre outros personagens que construíram a história da igreja nos primeiros séculos.

Na primeira viagem missionária, Paulo e Barnabé estavam na cidade de Icônio e lá eles foram agredidos, insultados e quase mortos por apedrejamento. Chegaram, anunciaram as boas novas, uns recebiam e outros não. Houve confusão e eles saíram dali (At 14.1-6). Resumidamente este é o contexto da passagem deles por aquela cidade.

Veja bem que em muitas situações da vida em sociedade existe a possibilidade de confronto entre pessoas, não só no campo das ideias, mas também de confrontos físicos, com agressões que podem resultar a morte. Essa é uma triste realidade, basta ver os inúmeros nos noticiários das cidades, informando atos violentos e vidas sendo ceifadas por questões mínimas.

Perceba que Paulo e Barnabé passaram por uma situação que quase os levou a morte. Eles se viram como pivôs de dois grandes grupos, de um lado os incrédulos judeus, provavelmente seguidores fiéis da lei mosaica e de outro lado os nativos da cidade. Uns acreditavam nas palavras ditas por eles e outros incitavam os ânimos para o confronto. O interessante disso tudo é que mesmo acossados e com chances reais de serem agredidos fisicamente, eles ainda ficaram muitos dias anunciando Jesus e a graça de Deus, e o mesmo Deus que era anunciado, confirmava a palavra ditas por eles por meio dos sinais e milagres (At 14.2-3). Pense!

Veja bem que grande parte dos conflitos físicos com resultados finais de morte está associado à falta de prudência de uma das partes envolvida. Um dito popular diz que “quando um não quer, dois não brigam” e certamente o que não quer brigar, usou a virtude da prudência para evitar a confusão que se aproxima. Noutras palavras, ser prudente é antes de tudo, prever e evitar as importunações e seus perigos. É ter calma e sensatez para resolver assuntos que caminham o conflito.

“A pessoa perspicaz percebe o perigo e busca refúgio; o incauto segue adiante e sofre todas as consequências.” (Pv 27.12). Palavras de Salomão, ditas centenas de anos atrás e que podem ser aplicadas aos dias atuais. Salomão, no alto de sua sabedoria, já enxergava o perigo de pessoas insensatas cometerem atos que iriam trazer dores, choros e lamentos e por que não dizer, consequências ruins. Certamente que se hoje as pessoas envolvidas em conflitos pudessem pensar um pouco sobre as repercussões futuras de seus atos, certamente que o mundo teria mais paz e harmonia.

Veja que tanto Paulo como Barnabé usaram de prudência e diante do sinal de ruptura da ordem social naquele ambiente, saíram dali e foram para outra cidade (At 14.6). Sentiram o perigo de se lá permanecessem iriam sofrer as consequências físicas que eram reais. Entenderam perfeitamente que o fato de pregarem a Cristo e de anunciarem a salvação por meio da graça salvadora de Deus não os habilitava a enfrentar fisicamente os revoltosos. Eram situações distintas, pois a fé em Deus, não os dispensava de praticarem a virtude da prudência. Reflita!

Entenda que na hipótese deles não terem saído daquela cidade, poderiam ter sido silenciados e isso certamente não era o desejo deles e nem de Deus, tanto que foram para outra cidade e ali continuaram a pregar o evangelho (At 14.7). Saiba que Deus dotou o homem de inteligência, concebeu sabedoria e conhecimento para serem praticados e utilizados em favor do reino. E foi assim que de maneira sábia e prudente que eles saíram vivos daquela confusão para levar as boas novas para outros lugares.

Lembre-se que as pessoas vivem tensas, estressadas e basta o mínimo para eclosão do conflito. Neste contexto, saiba que parar um pouco, colocar os pensamentos em ordem, analisar os prós e contras, adotar posturas sensatas, inteligentes e acima de tudo isso, praticar o bom senso, são posturas que fazem toda a diferença na vida de pessoas sensatas e prudentes. Afinal de contas essas são qualidades e virtudes que podem e devem ser realizadas rotineiramente. Viva assim, em paz, amém?

Jesus Cristo Filho de Deus os abençoe, sempre.

 

Milton Marques de Oliveira - Pr

 

Pagina 1 de 82

PUBLICIDADE