Segunda, 12 Abril 2021 08:31

APATIA

Escrito por
Avalie este item
(4 votos)

APATIA

“.. nem és frio e nem quente;..” (Ap 3.15)

O discípulo João foi o autor deste livro de Apocalipse, de três cartas a diferentes destinatários e também do quarto evangelho que leva o seu nome. Certamente que dos doze discípulos escolhidos por Jesus, foi João quem mais escreveu. Após seu chamado, ele esteve muito próximo de Jesus e pode-se dizer que viu, escutou e presenciou milagres, transformações, libertações e muitas outras coisas que não foram registradas nos evangelhos (Jo 21.23).

Após morte e ressureição de Jesus os discípulos deram início à pregação das boas novas, conforme as palavras do próprio Mestre (Mt 28.19-20; Mc 16.15-18; Lc 24.46-48; Jo 20.21). Segundo os historiadores João foi deportado para a ilha de Patmos em razão da forte perseguição contra os cristãos, e lá Deus revelou e ele escreveu o livro de Apocalipse. Das sete igrejas a que João se referiu na narrativa, tem-se a igreja de Laodiceia, instituição essa que Jesus tratou como uma igreja indiferente, distante, apática, nem negativa e nem positiva. Nas palavras de Jesus: nem quente e nem fria e em ternos atuais: nem uma coisa e nem outra (Ap 3.14-19).

Se existe algo que incomoda muita gente e traz muitos transtornos, principalmente em ambientes já conhecidos e frequentados, é a indiferença. Famílias onde seus membros são tratados com indiferença ocasiona abandono, insatisfações e tristezas. Ambientes sociais onde alguém é tratado com descaso pode trazer a depressão e o afastamento social. Enfim, não dar a devida importância a outras pessoas sempre gera embaraço e aborrecimentos.

Das sete igrejas abordadas no livro de Apocalipse, Laodiceia é a última. Uma particularidade comum a todas elas é que Jesus inicia sua avaliação, dizendo que as conhece, ou seja, nada escapa mesmo dos olhos de Deus. Como a demais, a vida daquela igreja de Laodiceia estava exposta, escancarada e Jesus, cirurgicamente, expõe com profundidade as virtudes e os defeitos para depois do diagnóstico, prescrever a cura. Pense!

Nas palavras de Jesus, Laodiceia nem era quente e nem fria, era uma igreja morna, ou seja, era uma igreja que se portava com absoluto desdém diante das questões espirituais. Pode-se dizer que ela quando estava reunida não tinha entusiasmo, era apática e da totalidade de seus integrantes, não se podia esperar nenhuma reação. Não era alegre e nem triste, e como não tinha nenhuma energia, é de se deduzir que não possuía nenhuma vitalidade espiritual. Resumindo, a igreja estava acomodada e se conduzia de forma neutra, ou seja, nas grandes questões que surgiam, aquela igreja não era contra e nem a favor. Numa frase tipicamente contemporânea: “do jeito que está, está bom.”

Saiba que a indiferença é um grande mal que permeia muitos ambientes. Tratar maridos, esposas, filhos e filhas e até mesmo amigos e colegas com pouco-caso é algo que gera decepção e frustração. Pais que não se interessam pela vida de seus filhos e tratam as demais questões com indiferença se assemelham a milhares de outras pessoas que vivem com total desprezo aos eventos que acontecem ao seu redor.

Atente que embora as cidades sejam populosas, algumas famílias sejam numerosas e muitos ambientes comportam muitas pessoas, em todos estes espaços existe o perverso sentimento da indiferença, do famoso “tô nem aí”. Homens e mulheres, jovens e adultos, adolescentes e crianças, todos esperam alguma coisa do outro e por vezes essa espera não acontece, sendo substituída pela indiferença, pelo descaso, trazendo dores, afastando pessoas e em muitas oportunidades gerando pessoas depressivas. Reflita!

Compreenda bem que a igreja de Laodiceia não apresentava problemas de ordem teológicas e/ou morais e nem há citações heréticas, todavia, ela evidenciava uma vida espiritual de muita indiferença e grande apatia. Pode-se acreditar que assim como ela, hoje muitos cristãos também sejam apáticos, professam conhecer as sagradas escrituras, sabem da importância de terem uma vida cheia da presença de Deus em seus corações, entretanto, possuem uma vida espiritual vazia, rasa e superficial. Noutras palavras, agem como se Deus não existisse e conduzem suas vidas aos trancos e barrancos para resultados catastróficos.

Guarde isso: a indiferença não somente traz aborrecimentos na vida em sociedade como também afasta o homem de seu Criador. Entenda bem que Deus em nenhum momento se mostrou indiferente, nem faz descaso do clamor e dos pedidos de socorro daqueles que o buscam (Sl 50.15). A indiferença, a apatia e a frieza podem ser comuns aos corações dos homens, mas não daquele que fez todas as coisas: Deus. Amém?

Jesus Cristo Filho de Deus os abençoe, sempre!

 

Milton Marques de Oliveira - Pr

Ler 447 vezes Última modificação em Domingo, 18 Abril 2021 14:20
Mais nesta categoria: « JULGAMENTO ATRAÇÃO »

PUBLICIDADE